A Força Aérea tem realizado, desde o dia 2 de fevereiro, várias missões de apoio ao combate à doença COVID-19.

Transporte de Repatriados

No dia 2 de fevereiro, o C-130H efetuou o transporte de 16 portugueses e duas cidadãs brasileiras repatriados da região de Wuhan, na China, de França para Portugal. A acompanhar a missão esteve presente uma equipa médica militar do Núcleo de Evacuações Aeromédicas (NEA) da Força Aérea. 

No dia 12 de março, o Falcon 50 efetuou o repatriamento de três portugueses que se encontravam na Roménia, tendo também o apoio de uma equipa médica militar do NEA.

Transportes Aeromédicos 

Desde 2 março, foram transportados nos Açores nove pacientes suspeitos de COVID-19 (cinco confirmados), com o recurso às aeronaves C-295M e EH-101 Merlin, do Destacamento Aéreo na Base Aérea N.º 4 (BA4), nas Lajes.

Transporte de cidadãos no âmbito do regime excecional de flexibilização da execução das penas e das medidas de graça, no âmbito da pandemia da doença COVID-19

No dia 11 de abril, foram transportadas oito pessoas de Ponta Delgada, ilha de São Miguel, para as Lajes, ilha Terceira.

No dia 17 de abril, transportadas duas pessoas do Funchal, ilha da Madeira, para Lisboa.

Apoio Aéreo Logístico 

Desde 17 de março até 1 de maio, foram realizados 16 voos (nove da aeronave C-130H, cinco do C-295M e dois do Falcon 50) para os arquipélagos da Madeira e dos Açores, transportando-se passageiros e mais de 10 toneladas de material sanitário, hospitalar e equipamentos de proteção individual, para uso de entidades civis, forças de segurança e militares.

Parqueamento de aeronaves civis em Bases Aéreas

A TAP e a Portugália efetuaram vários pedidos de informação, mas até ao momento apenas se encontra estacionado na Base Aérea N.º 11 (BA11), em Beja, um Boeing 767 da companhia Euro-Atlantic.

Centros de acolhimento

Foram criados dois Centros de Acolhimento, no Centro de Formação Militar e Técnica da Força Aérea (CFMTFA), em Ota, e na BA11, em Beja.

– O Centro de Acolhimento do CFMTFA que tem capacidade para 200 doentes recebeu, no dia 21 de abril, 172 refugiados, 144 positivos para COVID-19;

– Na BA11 foi preparado um Centro de Acolhimento para apoiar Lares e Idosos, com 76 camas e quatro quartos de apoio.

Disponibilização de camas e alojamentos

Foram providenciadas 214 camas táticas de combate para dar resposta a solicitações da ANEPC, em diversos pontos do país;

Disponibilizadas 316 camas metálicas articuladas para dar resposta a solicitações de Câmaras Municipais de diversos pontos do país e da ANEPC;

Na Base Aérea N.º 1 e Academia da Força Aérea, em Sintra, foi criado um Pavilhão com 260 esteiras e sacos de cama ou alternativamente alojamento com 48 camas;

Facultadas 96 camas para reforço de pessoal no Hospital das Forças Armadas.


Montagem de Tendas

Montagem de duas tendas e sistemas de aquecimento no Estabelecimento Prisional de Caxias.


Transporte de material terrestre

Foram efetuados transportes de material, cedido por entidades, em apoio ao Serviço Nacional de Saúde, através de células criadas na Base Aérea N.º 4 (ilha Terceira, Açores), Base Aérea N.º 6 (Montijo), na Base Aérea N.º 11 (Beja), Centro de Formação Militar e Técnica da Força Aérea (Ota), Depósito Geral de Material da Força Aérea (Alverca) e na Unidade de Apoio de Lisboa.

Estes transportes estão a ser agilizados, através da articulação logística, entre o Comando Conjunto para as Operações Militares (CCOM) e a Força Aérea. 


Armazenamento de material

Foram criadas zonas de armazenamento de material em apoio ao Serviço Nacional de Saúde, no Depósito Geral de Material da Força Aérea, em Ovar e na BA4, nos Açores, cuja utilização está a ser coordenada entre o CCOM e a Força Aérea. 

Preparação de equipas para desinfeção de estabelecimentos de ensino secundário

Foram criadas 10 equipas, estando distribuídas duas em cada uma das seguintes Unidades: Aerodromo de Manobra N.º 1, em Ovar, Base Aérea N.º 1, em Sintra, Base Aérea N.º 5, em Monte Real, Base Aérea N.º 6, no Montijo, e Centro de Formação militar e Técnica da Força Aérea, em Ota, cujo empenhamento está a ser coordenado entre o Estado-Maior-General das Forças Armadas e a Força Aérea. 


Doação de Material

Foram produzidas internamente 290 viseiras: 90 foram doadas à Associação humanitária dos Bombeiros Voluntários de Sintra, 100 ao Hospital Professor Doutor Fernando Fonseca e 100 ao Hospital das Forças Armadas.


Além destes apoios de combate a esta pandemia, a Força Aérea continua a garantir o serviço de alerta H24, no âmbito de missões de interesse público, nomeadamente transportes aeromédicos de doentes, transporte de órgãos para transplante, resgates a navios, busca e salvamento, vigilância e defesa aérea.

Continuam também a ser realizados voos de qualificação de tripulações do C-295M para o destacamento da Minusma (Missão Multidimensional Integrada para Estabilização das Nações Unidas), em Tancos e em Santa Margarida, em conjunto com o Exército Português. 

Fonte: Emfa.pt

Fotografia: Emfa.pt

(Visited 5 times, 1 visits today)