Ou há “pessoas que correspondem a necessidades efectivas e não estão a ser contratadas” ou “há responsabilidades de dirigentes que contrataram pessoas de que não necessitavam”, alertou o primeiro-ministro António Costa.
Source: www.publico.pt